User-agent: Mediapartners-Google Disallow: User-agent: * Disallow: /search Allow: / Sitemap: https://projectdollarscast.blogspot.com/sitemap.xml Análise semanal - Boku no Hero Academia #120 & #121 - DollarsCast

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Análise semanal - Boku no Hero Academia #120 & #121

Rumo ao próximo arco (!!!)

Fala meu povo! Depois de uma quinzena sumido, eis que volto (finalmente) com a análise de Boku no Hero. Claro que, sinceramente, era para ter saído antes, porém minha internet resolveu bugar e eu só consegui ler os capítulos hoje.
Mas, como ninguém quer ouvir meus lamentos, vamos ao que interessa. Vamos a análise dessa série de super-heróis.

Capítulos #120 & #121 – “Três pessoas” & “Cerimônia de abertura do segundo semestre”

 Primeiramente, vamos comentar o que mais chocou alguns, que foi a pesquisa de popularidade que saiu no capítulo 120. Ela saiu nas páginas coloridas e chocou a todos com a revelação que Kacchan é o personagem mais popular atualmente (todos não, mas vi muitas pessoas surpresas); porém sejamos francos, ele, atualmente, é o personagem que mais está em alta, em especial após o arco do sequestro dele. O Kohei anda sabendo bem trabalhar esse rival de um modo que pode torna-lo o melhor rival da atualidade.
Fora isso, cabe menção que a Uraraka pegou uma posição bem baixa, provando que os japoneses/os fãs não gostam muito dela e, comicamente falando, o Mineta caiu muito no ranking (sim, eu me divirto com as poucas aparições dele).
Agora focando nos capítulos: devo admitir que já esperava, de certo modo, o rumo que foi tomado nesse final de arco e começo de novo; parte disso se deve, e muito, a já ter noção do nível de merda que daria o Bakugo saber sobre o poder do Midoriya. Já a outra parte fica por conta do fator evolução, pois era preciso que o Kohei evoluísse a mentalidade de ambos se ele quisesse convencer os leitores que ambos são rivais que evoluirão sem precisar um debandar para o lado negro (até porque o nosso querido homem bomba está mais para anti-herói do que pseudo vilão).
Também admito, sem qualquer pesar, que gostei do rumo que a luta levou, mais precisamente... gostei do termino dela. É óbvio, para todos, que o Deku está mais forte que o Kacchan, porém precisamos ser realistas que o jeito impulsivo do foguinho funciona melhor em briga de rua; o que lhe garantiu a vitória e, por consequência, ajudou o mesmo a entender o Izuki.
Outro ponto positivo, foi todos os momentos envolvendo o All Mighty. Isso em um todo, desde o momento que ele conversa com os meninos até o momento que descobrimos que havia um candidato a sucessor de símbolo da paz antes do Izuki; descobrir isso apenas corroborou quanto ao fator sucessão e legado que eu vivo falando nas análises, pois todo discurso que o diretor passa no início de semestre já comprova isso, e quando temos o flashback do All Mighty sobre outro candidato a sucessor é que vemos o quanto esse ponto será explorado antes de, definitivamente, entrarmos em um arco de lutas all time.
Além de todos esses pontos, é válido mencionar que foi deverás divertido ver os garotos tomando bronca do Aizawa. Foi uma bronca instrutiva, porém engraçada; mas essa bronca também significou a suspensão dos dois. Enfim... foi um momento bobo, mas valeu a pena.
Enfim... agora é esperar o próximo capítulo para termos uma melhor noção de como o Kohei trabalhará toda essa ideia de legado e de outro sucessor antes do Deku.
Postar um comentário